A empresa de mídia, entretenimento e educação Brasil Paralelo lançou nesta terça-feira (22) um novo documentário sobre a história da Rússia. A produção já está no ar e traz, entre outras coisas, relatos da ascensão do comunismo naquele país.

Com os noticiários de todo o planeta repercutindo a invasão na Ucrânia, a mediatech retrata em sua obra um fato marcante no território russo: a Revolução Bolchevique, iniciada em 1917, que levou Vladimir Lênin e, posteriormente, Josef Stalin ao comando da então União Soviética.

Aproveitando o timing de guerra no Leste Europeu como estratégia de marketing, a empresa disponibilizará — somente para assinantes — o documentário “Invasão Bolchevique”.

É a primeira vez que uma produção original da BP será destinada exclusivamente aos membros, e não ao público geral em plataformas como o YouTube.

Rumo aos 300 mil assinantes

De acordo com Lucas Ferrugem, sócio e fundador da Brasil Paralelo, o novo lançamento é uma boa alternativa para conhecer “a história da Rússia, as origens do pensamento revolucionário e os padrões usados na implantação do comunismo em diferentes países”.

Além disso, o filme também visa aumentar a base de membros-assinantes da BP, a fim de que a receita adquirida com a novidade possa ser reinvestida em outras superproduções.

Ferrugem destaca, inclusive, que eles estão próximos de alcançar a marca de 300 mil membros, todos com acesso a diversos conteúdos exclusivos. A empresa também oferta, sempre que possível, vários materiais de forma gratuita para que mais brasileiros sejam alcançados pelo propósito de “resgatar bons valores, ideias e sentimentos”.

“Com essa experiência da BP Select [plataforma de streaming], o que nós aprendemos? Aprendemos que a gente conseguia, além de entregar nossos originais, fazer também com que as pessoas estivessem com mais frequência, tendo contato com boas mensagens, através de um formato artístico. Isso nos motivou bastante e começamos a cogitar uma série de caminhos que a gente poderia aprimorar isso daí”, explica o empresário.

LUm desses caminhos era o ‘Originais Brasil Paralelo’. A gente sempre teve os nossos originais veiculados no YouTube, fazendo uma missão de impacto social e tudo mais, mas o que quisemos testar foi lançar um original dentro da assinatura da BP Select, como um caminho de crescimento”, acrescenta.

Segundo ele, as assinaturas, na prática, significam aumentar não só o número de usuários na plataforma, mas também o crescimento do faturamento, que é focado primordialmente no reinvestimento de todas as operações da empresa de mídia.

“Foi assim que saímos de Porto Alegre para São Paulo, foi assim que saímos de 8m2 para 2.000m2, passando de 5 funcionários para 240 colaboradores. Então, essa é a lógica. E isso é muito importante para que a gente consiga colocar frequência de produção de conteúdo, qualidade de material, qualidade de campanha de divulgação, além de qualidade tecnológica. Toda essa estrutura de aplicativo para TV, aplicativo para celular e produções mais frequentes, tudo isso requer investimento”, detalha, pontuando a logística operacional da BP.

Lucas Ferrugem reitera, além de todos os aspectos já mencionados, que a Brasil Paralelo não atua com recebimento de valores oriundos de esfera pública e estatal, sendo financiada totalmente com o apoio de pessoas físicas que aderem aos planos oferecidos pelo grupo.

“Como todo mundo já sabe, a gente só recebe dinheiro privado. A gente não recebe dinheiro público. Nossa receita é oriunda das assinaturas dos membros. Então, a ideia é: será que ao lançarmos esse documentário exclusivo para membros, será que conseguiremos atingir esse patamar de 300 mil assinantes? Porque, se a gente conseguir, este é um caminho que se abre no sentido de demonstrar para a gente um potencial de investir nesses conteúdos exclusivos e crescer a empresa para fazer mais coisas e melhor”, declara.

O roteiro do longa sobre a Rússia ficou a cargo de Mariana Goelzer e Maria Teresa Bordini, além de contar com o estreante Guilherme Freire na direção. Todos os assinantes e membros — independentemente do plano — terão acesso ao documentário de 40 minutos.

No site da empresa, além de encontrar mais informações sobre a obra, o espectador também consegue aderir às ofertas da Brasil Paralelo, a partir de R$ 10 mensais. Ao tornar-se membro, cada novo assinante passa a fazer parte do time seleto a receber conteúdos exclusivos.





Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.